Passagem das horas, de Álvaro de Campos

Trago dentro do meu coração
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.

[…]

Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei…
Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos…
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti,
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz.

[…]

Árvores, galhos e outros ramos – o livro!

Eu já falei desse projeto querido aqui https://verbogeren.net/2018/07/08/a-exposicao-arvores-galhos-e-outros-ramos/. Foi um tempo bom em que pudemos nos dedicar às árvores com poesia, aquarela e outras técnicas visuais, performances dramáticas, declamação e até contribuindo com a organização de uma xiloteca. (Acabei de perceber que eu preciso postar fotos disso tudo!!!). O livro, que reúne as 42 poesias criadas durante a primeira fase do projeto está agora também disponível em pdf, pela Canal 6 Editora.

Pra baixar, é só clicar no link abaixo:

https://www.canal6livraria.com.br/pd-6ca1a5-arvores-galhos-e-outros-ramos.html?ct=&p=1&s=1

Depois, conta pra mim o que achou 😉

Sobre Arte II

“A Arte abre o sujeito a outras realidades. Se a Arte participa da realidade da vida através da sua materialidade, consubstanciada no seu formato (físico ou não), ainda assim é uma realidade criada pelo sujeito e, por isso, trata-se de uma irrealidade real, ou de uma realidade irreal, ou um oxímoro […].”

GONÇALVES, Carla Alexandra. Para uma introdução à Psicologia da Arte: as formas e os sujeitos. Lisboa: Edições 70, 2018, p. 61.

Era você na rua

Era você na rua
Eu não tive dúvida
Não pelo que vi
Mas pelo alvoroço nos meus pensamentos
E o furor pondo batidas a mais no meu coração.
Não duvidei que você era o vento bagunçando cada fio de cabelo meu
E aquele raio de sol
E aquela gota de calor
E aquele perfume escapando da flor até mim.
Era você, eu sei
Que se fez de sorriso do menino
E me sorriu
E foi vida dentro da vida minha
Um segredo meu
Dançando pelos meus corredores vazios.

E se as tristezas forem mais do que as levezas…?

Não há dia que se faça somente de choro, ou só de riso, só de dentes aparecendo à toa, sabe? Ou só de coração batendo apertado e respiração curta, miúda e seca… Não há dia construído só disso ou só daquilo. Cada dia tem em si muitos dias que talvez não sejam… e outros tantos que certamente serão. Um dia é uma entidade bipolar por natureza. Tem dia que é pura noite, dia que nem se sente a noite, dia que se encomprida e pula a noite até ser dia de novo. Há dias em que levezas, adornadas de muitas e sutis belezas, fazem sorrir em segredo a alma e dançar a música que cadencia nossa voz. Mas tem dias… outros dias, em que tristezas são mais que as levezas. Daí, é de se pegar o dia claro que poderia ser e fazê-lo livre, viver.