Soneto da Fidelidade, de Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinicius de Moraes, “Antologia Poética”, Editora do Autor, Rio de Janeiro, 1960, pág. 96.

 

Poema declamado por Camila Morgado

Sobre o inverno

“Nosso inverno não é destituído de cores, não é um período vazio de emoções, mas sim uma ocasião em que todas as alegrias vividas vêm à tona, fazendo-nos rejubilar com a missão cumprida. Todas as estações vividas ainda vibram em nós e estas longas noites de inverno são a ocasião propícia que a vida nos oferece para recordarmos”.

Do livro Estações, de Adelaide Reis de Magalhães, admirável artista que me ensinou sobre as estações e sobre como manter o brilho em meus olhos.

Soneto, de William Shakespeare

Há dias procuro palavras e tento harmonizá-las em escrito novo e de alguma relevância… teimosia sem sucesso. Na perspectiva do escritor, é preciso resignação e paciência para aceitar a euforia da alma que decide viver poesia em vez de escrevê-la. Humildemente, cabe nestes momentos, ler, ler e reler, em busca fervorosa por mais e melhores sentidos. Algumas doses de Shakespeare podem operar milagres.

Que à união de espíritos puros
Eu não aceite impedimentos. Não é amor, o amor
Que muda quando mudanças encontra,
Ou se curva a quem quer extingui-lo.
Oh, não! O amor é um marco eterno
Que inabalável enfrenta as tormentas.
É a estrela de todo barco errante,
De brilho certo, mas valor inestimável.
O amor não é joguete do tempo, embora
Ao envelhecer os lábios nos entorte.
O amor não muda conforme o dia e a hora,
Mas chega inalterado até o fim dos tempos.
Se me provarem que isto está errado,
Então nunca escrevi nem ninguém jamais amou.

William Shakespeare (1564-1616)

Canção Do Tamoio, de Gonçalves Dias

“Se o duro combate,
Os fracos abate,
Aos fortes, aos bravos,
Só pode exaltar.”

Nada mais adequado. Nenhum verso de poesia elaborada mais definitivo ou exato. Nada maior ou mais pungente do que a citação que me foi entregue hoje, enquanto comemorava na mesa de ofício, a vitória de um herói. No post de hoje, seguirá Gonçalves Dias e sua mensagem altiva sobre a força, a coragem e a persistência exigidas pela vida.

CANÇÃO DO TAMOIO
(Natalícia)

I
Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar.

II
Um dia vivemos!
O homem que é forte
Não teme da morte;
Só teme fugir;
No arco que entesa
Tem certa uma presa,
Quer seja tapuia,
Condor ou tapir.

III
O forte, o cobarde
Seus feitos inveja
De o ver na peleja
Garboso e feroz;
E os tímidos velhos
Nos graves concelhos,
Curvadas as frontes,
Escutam-lhe a voz!

IV
Domina, se vive;
Se morre, descansa
Dos seus na lembrança,
Na voz do porvir.
Não cures da vida!
Sê bravo, sê forte!
Não fujas da morte,
Que a morte há de vir!

V
E pois que és meu filho,
Meus brios reveste;
Tamoio nasceste,
Valente serás.
Sê duro guerreiro,
Robusto, fragueiro,
Brasão dos tamoios
Na guerra e na paz.

VI
Teu grito de guerra
Retumbe aos ouvidos
D’imigos transidos
Por vil comoção;
E tremam d’ouvi-lo
Pior que o sibilo
Das setas ligeiras,
Pior que o trovão.

VII
E a mão nessas tabas,
Querendo calados
Os filhos criados
Na lei do terror;
Teu nome lhes diga,
Que a gente inimiga
Talvez não escute
Sem pranto, sem dor!

VIII
Porém se a fortuna,
Traindo teus passos,
Te arroja nos laços
Do inimigo falaz!
Na última hora
Teus feitos memora,
Tranqüilo nos gestos,
Impávido, audaz.

IX
E cai como o tronco
Do raio tocado,
Partido, rojado
Por larga extensão;
Assim morre o forte!
No passo da morte
Triunfa, conquista
Mais alto brasão.

X
As armas ensaia,
Penetra na vida:
Pesada ou querida,
Viver é lutar.
Se o duro combate
Os fracos abate,
Aos fortes, aos bravos,
Só pode exaltar.

Nota: a publicação preserva o padrão ortográfico da época.

Ecos da última aula de inglês OU Sobre as ciladas da relação a dois

imagePara pensar, deixar fermentar e pensar de novo.

“You fall in love with a man because he is everything your father isn’t. He is strong and tough and you like that. He sweeps you off your feet. You don’t even realize how much he takes over your life, how you start to became merely an extension of him, rather than a separate entity or as you dream, one grander entity, two becoming one in love, like out of a romance novel. You acquiesce on small things, then large things, then everything. Your laugh starts to quiet before disappearing altogether. Your smile dims until it is only a facsimile of joy, something you apply like mascara.”

Harlan Coben – The Myron Bolitar Collection

Amar

Não há escolha ou desculpa ou remédio. Não há saída ou atalho ou solução que nos defenda de amar.

De Carlos Drummond de Andrade, Amar.

Que pode uma criatura senão entre criaturas, amar?
Amar e esquecer?
Amar e malamar
Amar, desamar e amar
Sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
Sozinho, em rotação universal,
se não rodar também, e amar?
Amar o que o mar trás a praia,
O que ele sepulta, e o que, na brisa marinha
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amor inóspito, o áspero
Um vaso sem flor, um chão de ferro, e o peito inerte,
e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.
Este é o nosso destino:
amor sem conta, distribuído pelas coisas
pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor
Amar a nossa mesma falta de amor,
e na secura nossa, amar a água implícita,
e o beijo tácito e a sede infinita.

Fonte http://www.vidaempoesia.com.br/carlosdrummond.htm

E para que os sentidos se rendam todos, “Amar” na intensidade de Marília Pera.

 

 

Sobre sensações

Sim, há quem consiga neste mundo apenas sentir. Sem pensar, nem medir, sem refletir todo o tempo e filtrar. Sem modelar ou fingir, sem conter ou pesar. Dentre tantos, há os que percebem o que a maioria não sente. São os que absorvem a magia do invisível, as sensações do pulso do mundo.

Às pessoas que vivem no espectro das hipersensações, a muitas das crianças com autismo, relembro um pouco de alguém que também sentia muito.

Os Meus Pensamentos São Todos Sensações, de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Ser poeta é ser mais alto, de Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Fonte: http://www.escritas.org

A uma mulher que, na rendição completa às palavras, amou, amou, amou.

 

Pasárgada e Siara

Nesta tarde, tive o privilégio de ouvir em voz doce, com chuva branda caindo, a poesia de Manuel Bandeira declamada. Lembrei-me de um exercício antigo a respeito de paródia e paráfrase, tendo “Pasárgada” como estímulo. Compartilho, então, Bandeira e minha “Siara”.

Vou-me embora pra Pasárgada, de Manuel Bandeira

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Texto extraído do livro “Bandeira a Vida Inteira”, Editora Alumbramento – Rio de Janeiro, 1986, pág. 90, Disponível em: http://www.releituras.com/mbandeira_pasargada.asp


Siara

Vou-me embora pra Siara
Lá o tempo para, cala, incendeia meus temores
Ilumina, grita, ameniza minhas dores
E foge.
Corre de si mesmo
Busca auxílio no fantástico
No imitar de um mundo mágico
Esquece e perpetua
Cristaliza e renasce.

As vidas em Siara
Pulsam, extravasam
Passos que se encontram
Firmes, fortes, corajosos
Olhos que se cruzam
E se encaram, não se fecham.
Rostos que revelam-se
Abrem-se, expressam-se.
Cores que libertam-se
Luzes que acendem-se
Vidas que eternizam-se.