Sem título

Hoje eu guardei uma aquarela inacabada, fiz pilhas de caixas de dores abaixo e acima da mesa onde eu gosto de colorir, arranjei onde pude pedaços de lembranças tristes, tantas coisas em lugares inadequados, criando desordem e caos visual em minha casa. Arrumei tudo para ficar ainda tudo torto e errado, cheio de pó e veneno, invadindo a paz e o sagrado do meu morar. Os esqueletos e escuridões que atormentam minha serenidade cá dentro agora também se mostram fora no meu chão, nos resquícios trazidos pela carga daquele lugar onde eu abusei de mim mesma e me pus nua à ceia de pessoas tão vis. (Um dia eu luto pelo meu perdão). É uma confusão tão imensa esparramada em meio a lágrimas vertidas e uma desesperança, uma descrença de que possa haver qualquer devir, de um jeito que eu possa tocar, com substância e cheiro bom e luz.

Pedras preciosas

Foi numa corrida curta e ansiosa que o menino encontrou sua mãe à beira da piscina e disse, ainda ofegante: “Mãe, mãe, olha o que eu trouxe! Eu achei muitas pedras preciosas! Olha essa… aqui tem mais! Lá na praia, mãe, tem muitas pedras preciosas! E eu peguei esse monte aqui!”. A mãe acompanhava sorridente a apresentação do filho, com atenção, de pé, enquanto mexia numa coisa ou noutra. O pai, divertindo-se com toda a animação e doce ingenuidade da criança, deu corda à história: “Vamos ter que pagar excesso de bagagem pra levar toda essa pedra que você pegou!”. No segundo seguinte, antes que o menino pudesse ensaiar qualquer comentário, a sabedoria da mãe brilhou como o sol daquela manhã: “Mas como são pedras preciosas, vale a pena pagar”. Foi assim que eu vi o menino com o sorriso mais bonito daquele dia.

Mundo nosso, nosso orgulho

O mundo não tem mais graça.
Não tem mais segredo
Não tem mais silêncio
Não tem mais respeito.
É só um entojado enjoado embolado
De canibais e vermes.
O que não é, é espaço vazio
Que flui pelas intermitências e foge de si mesmo
Com medo de se ver no resto
E de aumentar a massa que só fermenta e cresce.
O mundo já é completamente sem graça.
É aquela festa de gente bêbada tombada ao chão.
Desistente.
É o cheiro da mata queimada.
O crime anistiado.
A vida alheia tomada em comentário prosaico
Pra não se falar de si.
Da sua própria e íntima sujeira.
O mundo não tem nada de graça.
Tudo custa a alma pra quem tem
A escassez de quem não se tem.
Esse nada apático e inválido.
Custa o olho da cara.
Custa o tempo da poesia que eu não faço
E daquela música que me é honesta.
O mundo não tem graça nem é sério.
É o descaso curtindo a desgraça.
É a cada dia um despautério.
Bumba, o deus do vômito. Autoria desconhecida. Fonte: https://ngangamansa.wordpress.com/2019/09/06/bumba-el-dios-del-vomito/

Embora

Pra frente
Em frente
Caminhando devagar
E tanto
Pra sempre
Que se olha agora
Pra frente
E sem olhar pra trás
Com a luz em mente
Nem que se ressente
É pra sempre agora
E é pra frente que se anda
E se vai embora
E se apaga
O que se desenhou atrás
Olhos altos naquela luz da estrela
Pedindo intenso a proteção da Aurora
Mesmo que chora
Caminha os passos para frente agora
O que passou
Se esquece em outra hora
É pra sempre que se vai embora.

Sozinha

Viver sozinha
É algo que não se resolve.
Porque é sozinha que caminha uma mulher na saga de ser mulher na vida.
Numa fase ainda de alguma esperança por companhia e comunhão
Ela acredita que mãos dadas podem sanar a carência, dar presença e completude… parceria no caminho…
Mas não.
Um alguém perto é tão somente alguém perto
Que perdido em meio a carências próprias, perde-se sozinho também.
É preciso espalhar lá dentro um tanto de sementes novas
Para ver brotar o belo no cenário da solidão.
E ser feliz assim, encoberta e protegida por este pequeno mundo secreto de si mesma.
Com cores e luz
Com flores e cada camada de si mesma
Da menina, da jovem criando sina, da mulher arrependida e quebrada.
Estar só é condição de ser gente.
Sozinha desde, profundamente e para sempre
É o lugar de ser mulher nessa vida.