Os dias

É de degraus e de vagares que se esculpem os dias
Da luz e da sombra, das ondulações do caos.
É de sóis e cinzas que se remenda a rotina
Das fantasias lunáticas da normalidade.
É da rudeza no tilintar das horas
Das farsas boas e de meias verdades.
É de manias e pesares que se torneiam as vidas
Da dor e da glória, das limitações do mal.

Viva

Viva
Corra o mesmo risco de quem, descalço e infantil, inquieto e febril, ama.
Faça o mesmo riso de quem, entregue e servil, completo e gentil, ama.
Viva a lida fácil de quem, disposto a amar, incerto e feliz, ama.
Como alguém despido de temor e com ardor, ama.
Como além do viço do calor e com fervor, ama.
Com a vida toda em vigor, ama.
Apenas por ser vida
E pelo amor, ama.

Vigiai

img_0301

Antes que o tempo reclame e se assanhe
Antes que a vida chame e lhe apanhe
Perpetre em ti seu próprio amor
Conserve ali o som da flor.

Antes que o olho atinja e corrija
Antes que a boca apele ou maldiga
Relembre em ti a alma em paz
Entenda, enfim, a luz que jaz.

Antes que o grito revide e convide
Antes que a dor migre e atire
Perceba em ti primor
Seja de si senhor.

Canção Do Tamoio, de Gonçalves Dias

“Se o duro combate,
Os fracos abate,
Aos fortes, aos bravos,
Só pode exaltar.”

Nada mais adequado. Nenhum verso de poesia elaborada mais definitivo ou exato. Nada maior ou mais pungente do que a citação que me foi entregue hoje, enquanto comemorava na mesa de ofício, a vitória de um herói. No post de hoje, seguirá Gonçalves Dias e sua mensagem altiva sobre a força, a coragem e a persistência exigidas pela vida.

CANÇÃO DO TAMOIO
(Natalícia)

I
Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar.

II
Um dia vivemos!
O homem que é forte
Não teme da morte;
Só teme fugir;
No arco que entesa
Tem certa uma presa,
Quer seja tapuia,
Condor ou tapir.

III
O forte, o cobarde
Seus feitos inveja
De o ver na peleja
Garboso e feroz;
E os tímidos velhos
Nos graves concelhos,
Curvadas as frontes,
Escutam-lhe a voz!

IV
Domina, se vive;
Se morre, descansa
Dos seus na lembrança,
Na voz do porvir.
Não cures da vida!
Sê bravo, sê forte!
Não fujas da morte,
Que a morte há de vir!

V
E pois que és meu filho,
Meus brios reveste;
Tamoio nasceste,
Valente serás.
Sê duro guerreiro,
Robusto, fragueiro,
Brasão dos tamoios
Na guerra e na paz.

VI
Teu grito de guerra
Retumbe aos ouvidos
D’imigos transidos
Por vil comoção;
E tremam d’ouvi-lo
Pior que o sibilo
Das setas ligeiras,
Pior que o trovão.

VII
E a mão nessas tabas,
Querendo calados
Os filhos criados
Na lei do terror;
Teu nome lhes diga,
Que a gente inimiga
Talvez não escute
Sem pranto, sem dor!

VIII
Porém se a fortuna,
Traindo teus passos,
Te arroja nos laços
Do inimigo falaz!
Na última hora
Teus feitos memora,
Tranqüilo nos gestos,
Impávido, audaz.

IX
E cai como o tronco
Do raio tocado,
Partido, rojado
Por larga extensão;
Assim morre o forte!
No passo da morte
Triunfa, conquista
Mais alto brasão.

X
As armas ensaia,
Penetra na vida:
Pesada ou querida,
Viver é lutar.
Se o duro combate
Os fracos abate,
Aos fortes, aos bravos,
Só pode exaltar.

Nota: a publicação preserva o padrão ortográfico da época.

Sobre o que Chihuly me provocou sentir

image

Meses atrás, quando navegava pela cidade de Toronto, em devaneios pré-viagem, me deparei com a convidativa página do Royal Ontario Museum anunciando a exposição de Dale Chihuly, um escultor norte-americano que se fez mestre da arte com vidros. Confesso que meu entusiasmo foi instantâneo ao vislumbrar o poder e a fluidez das cores que davam vida às peças exibidas no site. O encanto imediato foi pela possibilidade de aguçar meus sentidos, bem mais que pela previsão de qualquer deleite intelectual.

Pois bem, eis que com os pés nas ruas quentes e agitadas do verão canadense, cheguei ao feliz destino, disposta a receber meu quinhão de beleza e cor. O que se deu nas duas horas seguintes são hoje as lembranças que quero compartilhar. Memórias de sensações, apenas. Sem crítica, análise ou mais delongas.

Assim que cruzei a porta de entrada, fui recebida por dois botes em tamanho natural e repletos de uma resplandescente luz que explodia em cores e diferentes formatos. Em um deles, esferas leves, brilhantes e coloridas pareciam simbolizar galáxias inteiras reunidas pelo meu olhar. No outro, os fios de vidro em diferentes tons de roxo, azul, rosa e lilás se entrelaçavam e se projetavam em movimento fugidio para o alto e me tomaram em hipnose por um tempo incalculado.

A partir daí, foi um passeio de estimulação visual que me alcançou em pontos escondidos do pensamento e da percepção. Todos os estados e sentidos da diferença era a mensagem que me chegava nos contornos de tantas cores, tonalidades, transparências, volumes e ângulos. Tudo posto na fragilidade e na dureza do vidro. A riqueza dos contrastes ia da leveza suspensa dos vidros coloridos no teto, passando pela vivacidade das chamas numa fogueira reta e quente e se espalhava pelas paredes como florescências raras em um pergolado branco. Se eu pudesse apenas abolir os significados das peças – coisa que a abstração humana nos impõe – eu poderia dizer que cheguei a perder meu senso de unidade por um momento, entregue à euforia sensorial da luz que se filtrava pelos vidros coloridos em tantas e variadas tonalidades, organizados de tantas diferentes formas e conjugações. A minha exposição àquelas obras fez festa em mim. Os movimentos helicoidais e combinados faziam dançar qualquer pensamento e transformava tudo em um sentir insistente e emocionado.

Quanta beleza paira no coração da diferença! Quanta paz se constrói pela reunião dos contrastes! Nos vidros derramados pelas salas da exposição de Chihuly toda a vida foi celebrada sem que se excluísse uma só cor ou geometria. Todas as possibilidades se arranjavam entre si, constituindo o universo espetacular da diversidade.

Foi assim, com a alma insuflada de luz e a cabeça entregue ao torpor das sensações que alcancei a sala final e atravessei a passos largos o estande comercial da exposição. Já tinha comigo muito mais do que eu havia ido buscar. E ao encontrar um espaço vazio, pude recobrar a respiração, a realidade e conhecer o que havia de novo em mim.

Exposição Chihuly – Royal Ontario Museum
100 Queens Park, Toronto, ON – Canada.

Fotos do arquivo pessoal de Grace Cristina Ferreira-Donati editadas em Piccolage.

Esforço

Conforme dá, a gente se arrasta, se esgueira, respira
De um jeito apertado, sofrido, pesado.
Conforme dá, a gente se abraça e se cuida
De um jeito inóspito, insípido e em culpa.
Conforme dá, a gente agrada e se desagrada
A gente se entrega e se esquece
Amontoa e perece.
Conforme dá, a gente ultrapassa os dias
Como barreiras antigas
Em esforço febril
À tentativa vil
Que castiga.