Soneto, de William Shakespeare

Há dias procuro palavras e tento harmonizá-las em escrito novo e de alguma relevância… teimosia sem sucesso. Na perspectiva do escritor, é preciso resignação e paciência para aceitar a euforia da alma que decide viver poesia em vez de escrevê-la. Humildemente, cabe nestes momentos, ler, ler e reler, em busca fervorosa por mais e melhores sentidos. Algumas doses de Shakespeare podem operar milagres.

Que à união de espíritos puros
Eu não aceite impedimentos. Não é amor, o amor
Que muda quando mudanças encontra,
Ou se curva a quem quer extingui-lo.
Oh, não! O amor é um marco eterno
Que inabalável enfrenta as tormentas.
É a estrela de todo barco errante,
De brilho certo, mas valor inestimável.
O amor não é joguete do tempo, embora
Ao envelhecer os lábios nos entorte.
O amor não muda conforme o dia e a hora,
Mas chega inalterado até o fim dos tempos.
Se me provarem que isto está errado,
Então nunca escrevi nem ninguém jamais amou.

William Shakespeare (1564-1616)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s