Saudades minhas

Saudades de quando a felicidade roubava meu sono
De quando ela me tomava ao despertar
E ilustrava em meu rosto sua luz.
Ah, saudades de quando a vida era coisa fácil de se ter
De quando o dia se repetia na alegria simples de nascer.
De quando a mania de chorar era rara e boba, curta e fácil.
Saudades minhas as minhas dores agudas e duras
De ser de um jeito que já foi
De ser feliz como não dá
De ser aquela não fui.

Ansiedade despedaçada II

“Frestas das escolhas que me apertam permitem que a persistência me afilja e me salve. Trazem-me sem medo para os erros e insistem que eu respire pouco, mas com louco e certo amor.”

“Nem tudo é tão reto… Nem tudo tudo é certo. Nem sempre é tão fácil julgar o óbvio. A luz pode sempre esconder a poeira em sua sombra. E só os que não vêem enxergam no escuro.”

“Tensas partículas caem densas por aí. Espalham ruídos e redemoinhos vazios apenas para enfatizar o movimento das coisas, a repetição da natureza e sobrepujar o que é ímpar e singular.”